Diminuir tamanho da fonte Aumentar tamanho da fonte

Na tribuna, Pedro Kemp lê nota do MPF e depoimento de jornalista estuprada na ditadura

Campo Grande, 28/03/2019

O presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), determinou que o Ministério da Defesa realize as “comemorações devidas” em referência ao dia 31 de março de 1964, quando começou a ditadura militar no Brasil. O presidente não considera que houve um golpe militar. A fala tem repercutido Brasil afora e ecoou no dia de hoje na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, quando o deputado estadual Pedro Kemp (PT-MS) repudiou, através da leitura da carta da jornalista Rose Nogueira, vítima de estupro naquele período, e também a Nota Pública da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, órgão ligado ao Ministério Público Federal (MPF), que se posicionou radicalmente contra o tema. Leia aqui o documento na íntegra.

O deputado federal (SP) Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, se manifestou e defendeu a ditadura e pediu uma “revisão da história”, tentou minimizar as torturas e mortes que aconteceram na época a mando dos militares, conforme já investigou a Comissão Nacional da Verdade (CNV).

Segue na íntegra a carta da jornalista:

Sobe depressa, Miss Brasil’, dizia o torturador enquanto me empurrava e beliscava minhas nádegas escada acima no Dops. Eu sangrava e não tinha absorvente. Eram os ‘40 dias’ do parto. Na sala do delegado Fleury, num papelão, uma caveira desenhada e, embaixo, as letras EM, de Esquadrão da Morte. Todos deram risada quando entrei. ‘Olha aí a Miss Brasil. Pariu noutro dia e já está magra, mas tem um quadril de vaca’, disse ele. Um outro: ‘Só pode ser uma vaca terrorista’. Mostrou uma página de jornal com a matéria sobre o prêmio da vaca leiteira Miss Brasil numa exposição de gado. Riram mais ainda quando ele veio para cima de mim e abriu meu vestido. Picou a página do jornal e atirou em mim. Segurei os seios, o leite escorreu. Ele ficou olhando um momento e fechou o vestido. Me virou de costas, me pegando pela cintura e começaram os beliscões nas nádegas, nas costas, com o vestido levantado. Um outro segurava meus braços, minha cabeça, me dobrando sobre a mesa. E u chorava, gritava, e eles riam muito, gritavam palavrões. Só pararam quando viram o sangue escorrer nas minhas pernas. Aí me deram muitas palmadas e um empurrão. Passaram-se alguns dias e ‘subi’ de novo. Lá estava ele, esfregando as mãos como se me esperasse. Tirou meu vestido e novamente escondi os seios. Eu sabia que estava com um cheiro de suor, de sangue, de leite azedo. Ele ria, zombava do cheiro horrível e mexia em seu sexo por cima da calça com um olhar de louco. No meio desse terror, levaram-me para a carceragem, onde um enfermeiro preparava uma injeção. Lutei como podia, joguei a latinha da seringa no chão, mas um outro segurou-me e o enfermeiro aplicou a injeção na minha coxa. O torturador zombava: ‘Esse leitinho o nenê não vai ter mais’. ‘E se não melhorar, vai para o barranco, porque aqui ninguém fica doente.’ Esse foi o começo da pior parte. Passaram a ameaçar buscar meu fillho. ‘Vamos quebrar a perna’, dizia um. ‘Queimar com cigarro’, dizia outro.

ROSE NOGUEIRA, ex-militante da Ação Libertadora Nacional (ALN), era jornalista quando foi presa em 4 de novembro de 1969, em São Paulo (SP). Hoje, vive na mesma cidade, onde é jornalista e defensora dos direitos humanos.

Compartilhe: