Diminuir tamanho da fonte Aumentar tamanho da fonte

“Volta às aulas somente quando alunos, professores e administrativos estiverem todos vacinados”

Campo Grande, 07/06/2021

“Não foi feito investimento nas escolas públicas. Elas não estão preparadas para a volta das aulas com segurança.

Hoje, a defasagem é muito grande para as crianças pequenas em fase de alfabetização, as crianças mais pobres, moradoras das áreas mais distantes. Os gestores têm que investir em todos os meios e ferramentas e no planejamento para a volta às aulas.

Há uma pressão para que as aulas voltem. Aqui em Campo Grande, a Prefeitura Campo Grande anunciou o retorno de forma hibrida (presencial/ e à distância) no dia 26 de julho. A Secretaria de Estado de Educação de MS também já anunciou que as aulas devem voltar no segundo semestre.

Entendemos que não há condição de biossegurança. A vacinação não atingiu toda a população. Temos conversado com os professores e eles estão sobrecarregados. Muitos estão afastados por licença médica, esgotados. Não foi feita uma preparação pra desenvolver atividade remota, produzir as vídeo aulas. Muitos profissionais não têm familiariedade com as plataformas e estão trabalhando com atividade remota que exige além dos planejamentos, lidar com as tecnologias e atender os alunos.

A situação é ainda mais difícil nas aldeias e quilombolas.

E, Mato Grosso do Sul está no epicentro da epidemia. Tivemos recorde de mortes aqui no Estado. (Em apenas 6 dias do mês de junho, MS acumulou 10,8 mil casos novos e 183 mortes por Covid-19 e o total de infectados atingiu 301.559 e de mortes 7.122, durante toda a pandemia.)

Não temos calendário de imunização.

É preciso que os governos se organizem no sentido de investir mais para que o ensino hibrido possa se dar de forma satisfatória com toda a comunidade escolar professores, administrativos e alunos vacinados.

E da parte do governo federal, exigir maiores investimentos. Nós enfrentamos essa pandemia com o pior governo da nossa história: negacionista, desdenhou da pandemia, nao trouxe vacinas, incentivou aglomerações e atividades sem uso de máscara.

São cerca de 500 mil vidas perdidas e ainda, infelizmente, muitas pessoas reforçam o negacionismo.

Nós da Educação e como presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, temos debatido muito e fazendo eco àquilo que vem das escolas, dos trabalhadores da Educação.

Só queremos o retorno com a vacinação de todos, dos estudantes pra que não haja perdas de vidas nas escolas pela falta de imunização”.

(Pedro Kemp – PT/MS, durante a audiência pública online com os parlamentares do MT “Vacinação e os Desafios da Educação na Pandemia”)

Compartilhe: